François Hartog fala sobre seus trabalhos e sobre historiografia

Divulgo aqui uma entrevista concedida pelo prof. François Hartog (diretor de estudos na EHESS) e publicada na revista História da Historiografia no ano passado (2012). Trata-se de uma entrevista interessante a quem se interessa pelos temas abordados pelo historiador francês – que recentemente “emplacou” seu conceito de regimes de historicidade em terras brasileiras, numa leitura bastante interessante de Reinhart Koselleck. Desde os anos de 1980 o prof. Hartog se dedica a explorar os caminhos da historiografia antiga e moderna, sendo grande conhecedor da historiografia grega antiga e autor de obra relativamente vasta.

Gostaria de destacar um trecho que considero bastante interessante da fala do prof. Hartog:

4. Podemos retornar ao tema colocado sobre François Dosse e pensar que o trabalho de Dosse, Patrick Garcia (1958-…), Christian Delacroix (1950-…) era uma tentativa de dominar um campo de estudos sobre historiografia na França. O senhor não acredita que isso seja verdadeiro?

FH: Sim, trata-se justamente da questão se a historiografia é uma disciplina ou não. Houve a tentativa de Carbonell como ponto de partida, que publicou outrora na pequena coleção “Que sais je?” da Imprensa Universitária da França (Presses Universitaire de France), L’historiographie. Era a maneira de dizer: “isto existe”! E sua vocação era de ser uma disciplina ou, ao menos, uma subdisciplina. Todavia, por diferentes razões Carbonell saiu de cena e, de todo modo, sua maneira de agir não era tão interessante assim. Depois veio François Dosse, Patrick Garcia e Christian Delacroix, este trio que, à sua maneira, há alguns anos tenta constituir alguma coisa como um campo de historiografia. Isso começou com a revista Espaces temps, continuando em suas práticas docentes, e enfim com a edição publicada pela Gallimard, em dois volumes Historiographies: concepts et débats. É uma obra coletiva, com a ideia de que há um domínio e do qual eles são os fiadores e organizadores. Domínio bastante amplo e internacionalizado, considerando seu sumário.

Pessoalmente, eu mantenho certa distância disso tudo. Eu não acredito que a historiografia seja uma subdisciplina. E talvez seja preciso distinguir entre uma posição, eu diria, intelectual e necessidades institucionais. Talvez seja necessário que haja pessoas que cuidem desta dimensão institucional, para permitir o exercício de uma atividade intelectual. E talvez eu seja excessivamente indiferente a isto. Então, eu compreendo que se tenha esta atitude, mas não é um papel que tenho interesse em assumir, não é um papel que me convém. Não aprecio as fronteiras, nem os limites, nem as “atribuições de residência”, que seja na antiguidade ou na contemporaneidade, seja na literatura. Não concebo de outra maneira meu trabalho senão por este deslocamento. Não tenho, de forma alguma, a pretensão de dar isso como exemplo. Eu aceito mesmo que se possa estar em desacordo com isso. Acontece, finalmente, que sempre foi assim que trabalhei e que, dada a idade que tenho, é difícil que isso vá mudar.

Link para a entrevista: clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s