“Recuperando os Mundos Perdidos do Passado” e o problema do “passado nos seus próprios termos”

No último número da American Historical Review (volume 120, n. 3) o professor Greg Anderson argumenta sobre uma possível “virada ontológica” na historiografia, de maneira que possamos construir uma “mais ética, mais filosoficamente robusta, e mais historicamente significativas”. Suas referências às ciências pós-Newtonianas, no entanto, não me parecem trazer argumentos que surpreenderiam historiadores que desejam encontrar no passado “aquilo que realmente se passou”. O que vocês acham?

Link: Retrieving the Lost Worlds of the Past: the case for an ontological turn. American Historical Review (120/3), junho de 2015.

Fórum: A História das Humanidades e a História da Ciência

Consta no número 2 do volume 106 da revista Isis, publicado agora em junho pela History of Sciences Society, o dossiê “The History of Humanities and the History of Science“, organizado por Rens Bod e Julia Kursell. Rens Bod é um dos organizadores da conhecida coleção de referência The Making of Humanities (em 3 volumes) e do livro A New History of the Humanities (Oxford University Press, 2014).

Sumário:

Mesa: “Tears in the Fabric of the Past: New Theories of Narrative and History” (UC Berkeley, Oct 2014)

Eelco Runia, Harry Harootunian, Martin Jay, Ethan Kleinberg e Hayden White discutem problemas da relação entre passado, presente e história a partir do novo livro de Runia, Moved by the Past: discontinuity and historical mutation. Todas as intervenções e a discussão posterior trazem perspectivas interessantes e valiosas para quem se interessa pelo tema.

Gabrielle Spiegel, “História, Memória e os Imperativos Éticos da Escrita da História no Mundo Contemporâneo”, INTH Conference 2013

“Em minha perspectiva, o historiador não é o guardião da memória, mas um crítico do passado, seja recente ou distante, e abandonar a historiografia enquanto um empreendimento crítico seria descartar o jogo em sua totalidade.” Trecho da fala da prof. Spiegel.