Marcado: projeto

Diário de Pesquisa, 2: escrevendo o projeto (I, o quadro conceitual)

Esta semana submeti, finalmente, o projeto para avaliação da Fapesp. Resolvi deixar aqui um relato sobre a feitura da peça que talvez possa ser de algum interesse, ainda que marginal. Antes de mais nada, registro os agradecimentos aos leitores e comentadores de versões preliminares do projeto – professora Karina Anhezini, professor Miguel Soares Palmeira, bem como seu excelente grupo de orientandos (e agregados) na USP. Tenho certeza de que a proposta ganhou em muito com cada comentário e pergunta; acredito que o texto “final” incorporou muitas das sugestões e respondeu em algum grau a maior parte dos comentários. O professor Hélio Rebello Cardoso Jr., que me orientou durante o doutorado, também tem sido um interlocutor importante e um incentivador sem o qual eu talvez já tivesse desistido da vida acadêmica.

Quando comecei a escrever o projeto, tinha pouca coisa em mente além da ideia mais ou menos confusa de construir um instrumento de pesquisa que facilitasse a tarefa de historiadores da historiografia interessados nos períodos mais recentes da historiografia brasileira – mais especificamente, a configuração que nossa produção tomou com a consolidação dos programas de pós-graduação como instâncias centrais na produção historiográfica brasileira. O problema é que essa tarefa (embora complicada) não me pareceu ser suficiente para que o projeto fosse financiado com uma bolsa – e conversas com alguns colegas e professores confirmaram essa impressão.

Muita gente sabe da minha desconfiança em torno de balanços bibliográficos, da ideia de tendência, das figuras de “escolas” ou “tradições” historiográficas… Em primeiro lugar, bons balanços presumem um domínio ao mesmo tempo quantitativo e qualitativo do tema que se vai recensear, que, nos dias atuais, desemboca em duas alternativas: (1) balanços muito especializados, com boa densidade de materiais, ou (2) balanços amplos, mas que deixam de fora grande quantidade de trabalhos (geralmente sob a justificativas sem grandes rigores de método, envolvendo representatividade, relevância, etc.). Os primeiros geralmente têm um público relativamente restrito; os segundos raramente tratam com justeza a produção vinda de lugares periféricos no campo.

Quanto às “tendências”, tenho sempre a impressão de que, em boa parte dos balanços bibliográficos, assume-se como tendência aquilo que se faz, ou que se gosta. Nas análises mais robustas, o problema da tendência é outro, de categorização: em que nível devemos localizar as tendências? Nos recortes cronológicos? Geográficos? Temáticos? Teóricos? Em um cruzamento de tudo isso, ou de alguns desses níveis? E o que o resultado desse cruzamento diz da área? Parece tudo um pouco nebuloso. E o próprio termo “tendência” já me causa algo de uma estranheza – associando rapidamente ao inglês “trend” e à tópica de “moda”, que, assim me parece, leva a caminhos nos quais é fácil deslizar para uma crítica superficial de “modismos” e dos temas que o recenseador considera mais ou menos “relevantes”.

Finalmente, “escolas” e “tradições” são o tipo de categoria de certo valor pedagógico, mas de baixíssimo valor analítico. Escola, porque a frouxidão dos critérios para se estabelecer o pertencimento a esse conjunto conduz rapidamente a monstros conceituais como “escola dos Annales”, que ninguém sabe direito dizer o que foi/é. (A pesquisa da Mariana Oses, sob orientação do professor Miguel, explora de maneira muito perspicaz a multitude de sentidos que subjazem ao “mito”). Tradição, tanto pior, que pode se referir a qualquer coisa cujo nexo com o nosso objeto não sabemos bem precisamente delimitar, mas que temos a sensação de que existe.

O problema é que, com essa minha chatice teórica, sobra muito pouco para justificar um estudo abrangente da historiografia universitária brasileira. Se não é para falar de tendência, de escolas ou de tradições, esse estudo fala de quê? Bem, aí optei por tirar a poeira dos meus livros do bom e velho Pierre Bourdieu, e achei que o conceito de campo poderia ser útil. Isso porque, embora Bourdieu nunca tenha produzido um trabalho sistemático, explicando cada cantinho do conceito, as suas inúmeras aplicações dão mostras de que se trata de uma ferramenta capaz de satisfazer minha avaliação de rigor (é um conceito que mobiliza categorias bem definidas) e, ao mesmo tempo, não prescreve grandes estruturas para o trabalho com as fontes (é no contato com elas que podemos, enfim, propor quais os atributos relevantes de trabalho). É verdade, esse potencial depende quase que inteiramente do rigor prático do próprio pesquisador, e o conceito pode, sim, se dar a usos menos rigorosos, sem problemas. Mas tendo em vista que o banco de dados lida com um conjunto de metadados sobre as teses e seus autores/orientadores, achei que o encaixe entre materiais e ferramentas seria particularmente rico. Veremos se o será ao longo da pesquisa.

Anúncios